Entidade compartilha experiência de evitar aborto e apoiar mães e crianças

Maria de Fátima Cavalcante de Oliveira Sato, é a coordenadora do projeto “Sim à Vida”.

fatima

 

Sediado em Maringá, no Paraná, o Lar Preservação da Vida vem, há 28 anos, apoiando mulheres – muitas ainda adolescentes – que se deparam com a situação de gravidez indesejada. Nesses anos, a entidade sem fins lucrativos ampliou suas ações, assistindo crianças com idades de zero a seis anos, fazendo a inclusão de jovens e promovendo campanhas em defesa da vida e contra o aborto. Para compartilhar as experiências, Fátima Sato (foto), esteve em Fortaleza onde participou do I Encontro de Parceiros Espíritas em Favor da Vida.

O encontro foi realizado pelo Centro Espírita Manoel Philomeno de Miranda, com apoio da Federação Espírita do Estado do Ceará, no último dia 30, no Hotel Sonata de Iracema. A ativista pró-vida aproveitou para manter contato com representantes de entidades como o Movimento em Favor da Vida (Movida), presidido pelo engenheiro Fernando Lobo, que também coordena o Comitê Cearense do Movimento Brasil sem Aborto.

Em reunião no Movida, Fátima falou do trabalho realizado no Lar Preservação da Vida. Ela revelou que algumas das jovens atendidas no Lar são usuárias de drogas, o que agrava em muito a situação da mãe e do bebê. Para garantir a vida da gestante e do seu filho, um delicado trabalho de acolhimento e atenção é feito pela equipe multidisciplinar. Muitas dessas jovens são de outros estados e tomam conhecimento do Lar pela internet (www.preservacaodavida.org.br). O carinho e apoio oferecido pela equipe são formas de evitar que as mães abortem seus bebês.

Além de crianças nascidas sob amparo do Lar, a entidade também recebe crianças oriundas da comarca de Maringá-PR, encaminhadas pelas Varas da Infância e Juventude ou Conselho Tutelar. Para oferecer esse amparo, Fátima conta que foi criado o Projeto Família Acolhedora. Ela explica que por dois anos a criança fica sob a responsabilidade de uma família e, passado esse tempo, a grande maioria volta para o convívio de sua família biológica. “Nos casos em que nisso não é possível as crianças são encaminhadas para adoção.”

Outra atividade do Lar é na área da educação de jovens e adultos, feita com o apoio de voluntários. Muitos dos adolescentes atendidos foram bebês ali nascidos quando as mães foram acolhidas. A educação tem colaborado para a inclusão dos alunos no mercado de trabalho.

O Projeto “20 anos depois” promove um resgate e acompanhamento de mães que passaram pela entidade e, ao mesmo tempo, oferece ajuda para que os filhos delas entrem na Universidade. Eles recebem apoio para aumentar o rendimento escolar e uma bolsa auxílio.

SIM À VIDA

Criado em 2007, o projeto Sim à Vida é uma campanha permanente para salvar vidas de bebês cujas mães pensam em abortá-los. Fátima Sato detalha que o projeto se desenvolve em várias frentes: leva a mensagem em favor da vida diretamente às mulheres; atua para evitar que aborto seja legalizado no Brasil; colabora para a formação de grupos de apoio pró-vida em nos diversos estados do País; promove a conscientização de crianças, jovens e adultos por meio de ações de sensibilização; e realiza campanhas publicitárias e abaixo-assinados. “O projeto quer fazer de cada cidadão um guardião da vida em formação”, diz.

Helena Carmen Bressan, fundadora do Lar, é hoje sua presidente honorária. Fátima Sato conta que no início Helena enfrentou muitas dificuldades para levar a mensagem pró-vida às mulheres. “Ela chegava a dar plantão em porta de clínicas para evitar que gestantes fizessem aborto”. Aos poucos, mesmo sem grande divulgação as mulheres começaram a procurar o Lar. “Elas engravidam e queriam esconder a gravidez da família e nos procuravam em busca de apoio”, diz.

Mais informações: Fátima Sato, coordenadora do Lar Preservação da Vida (fone: 44 3226-2123).

Deixe uma resposta